Arquivo de junho 14, 2013

Recebi um e-mail com informação sobre a publicação de nova edição da revista científica Artefactum – Revista de Estudos em Linguagem e Tecnologia, periódico do Núcleo de estudo e treinamento em linguagem – RAFROM.

Em particular, achei interessante a discussão – que toca na questão da reinvenção de formas de produção poética no ciberespaço – apresentada no artigo A poesia digital: a produção poética inserida no mundo das tecnologias, de Kátia Caroline de Matia e Mirian Hisae Yaegashi Zappone, do qual destaco a seguinte observação (p. 6):

A poesia digital surge num contexto em que se agregam vários sistemas semióticos e que, embora pareça algo novo, muitas formas de produção poética anteriores já experimentavam tecer significados para além do nível semântico da linguagem, explorando as técnicas e os materiais disponíveis, de modo que a poesia ao lidar com elementos não verbais, com a visualidade, com a plasticidade da palavra não é exclusividade do novo contexto cibercultural. Tomemos como exemplo as tendências poético-visuais de 300 a.C. no ocidente. O poeta Símias de Rodes criou um poema em forma de ovo, chamado de O Ovo, e trata do nascimento de Eros, deus do amor, a partir de um ovo primordial, o Caos.
https://mundotexto.files.wordpress.com/2013/06/814eb-simeas_de_rodes.jpg
Anúncios