Arquivo de agosto, 2013

Apresento a síntese da pesquisa que desenvolvi com textos de depoimento do site Orkut. A dissertação foi defendida na UFPR em 2011. O título completo é “O que você tem a dizer sobre (…)? Expressões nominais indefinidas no depoimento do Orkut.”

RESUMO: Esta pesquisa vincula-se à proposta de estudo da Linguística Textual e baseia-se em pressupostos sociocognitivistas e sociodiscursivos para abordar o tema da recategorização lexical marcada por expressão nominal indefinida (ENI). Trabalhamos com um corpus composto de textos de depoimentos produzidos e publicados em páginas de usuários brasileiros do site de relacionamentos orkut. A recategorização lexical consiste na remissão a referente textual ou objeto de discurso já introduzido na memória discursiva através de expressão referencial que o reapresenta sob outra perspectiva, sob nova categoria. O objetivo da pesquisa é examinar o funcionamento de recategorizações lexicais com ENI em depoimentos – espécies de declarações pessoais sobre sujeito com o qual se estabelece vínculo social no contexto real ou virtual – que circulam na versão brasileira do site orkut, o software de suporte desse gênero discursivo. Definimos como hipótese que a recategorização com ENI parece relacionada a características do depoimento do orkut de modo semelhante ao que já se observou em ocorrências de outros tipos de anáfora textual. A hipótese norteia-se não só pela observação de particularidades do gênero como a seleção recorrente de ENIs, o caráter lacunar e fragmentário, o propósito comunicativo, o suporte, mas define-se também pelo pressuposto de envolvimento constante de ENIs em recategorizações lexicais (CUNHA LIMA, 2004) e pela necessidade de estudar aspectos que condicionam o funcionamento da recategorização lexical em certos gêneros discursivos (MATOS, 2004). Realizamos uma análise qualitativa de 34 textos pertencentes a único gênero e, para caracterizar as recategorizações com ENI, levamos em conta as configurações das cadeias referenciais, das estratégias referenciais, das funções argumentativas e dos núcleos nominais das ENIs. Os dados evidenciam que as recategorizações com ENI combinam-se com outras estratégias referenciais, como anáfora com relação meronímica, encapsulamento, rotulação metaenunciativa, tematização-remática; prevalecem dentre as ocorrências de tematização-remática com frases nominais; admitem variações na operação que podem adquirir traços metafóricos e de parcialidade; têm como principal função argumentativa a avaliação, destacando-se também as funções de glosa e estético-conotativa; compõem-se de núcleos nominais (hiperônimos, termos genéricos) que junto com os determinantes indefinidos fortalecem a especificação da categoria ou classe atribuída ao objeto de discurso. Por um lado, concluímos que a recategorização lexical com ENI constitui um recurso produtivo à disposição do enunciador que tem um espaço reduzido a 1024 caracteres para escrever um depoimento no site orkut. Por outro lado, a seleção de ENIs com função integradora de anáfora e predicação direciona a publicação de dizeres concisos e com potencial para agregar uma orientação apreciativa às descrições de que fazem parte.
Palavras-chave: Anáfora textual. Depoimento. Expressão nominal indefinida. Recategorização lexical.

 

RÉSUMÉ: Cette étude est lié à la perspective adoptée par la Linguistique Textuelle et est basé sur les principes sociocognitivistes et sociodiscursives. Le sujet de recherche est la recatégorisation lexicale qui est marquée par l’expression nominale indéfinie (ENI). Nous travaillons sur un corpus formé de témoignages produits et publiés dans les pages des utilisateurs brésiliens du site de réseau social orkut. La recatégorisation lexicale est un processus par lequel l’expression anaphorique se reporte a un référent textuel ou un objet-de-discours déjà introduit dans la mémoire discursive à travers une expression référentielle qui le réintroduit sous un autre angle, sous une nouvelle catégorie. Cette recherche a pour but d’examiner le fonctionnement des récategorisations lexicales avec des ENIs dans les témoignages – des types de déclarations personnelles sur un sujet avec lequel l’énonciateur établit des liens sociaux dans le contexte réel ou virtuel – qui circulent dans la version brésilienne du site orkut, le logiciel de support de ce genre discursif. Nous posons comme hypothèse de recherche si la recatégorisation avec l’ENI semble liée aux caractéristiques des temóignages du site orkut d’une manière similaire à ce qui a déjà été observé dans les occurrences d’autres types d’anaphore textuelle. L’hypothèse est basée non seulement sur l’observation des particularités du genre telles que la sélection récurrente de l’ENI, le caractère lacunaire et fragmentaire, l’objectif communicatif et le soutien, mais également sur la présupposition de l’implication constante de l’ENI dans les recatégorisations lexicales (CUNHA LIMA, 2004) et sur la nécessité d’examiner des aspects qui influencent le fonctionnement des recatégorisations dans certains genres discursifs (MATOS, 2004). Notre étude se fonde sur l’analyse qualitative de 34 textes appartenant à un genre donné et nous prenons en compte les paramètres des chaînes référentielles, des stratégies référentielles, des fonctions argumentatives et des têtes nominales des expressions afin de caractériser les recatégorisations avec l’ENI. Les données montrent que les recatégorisations avec l’ENI : se combinent avec d’autres stratégies de référence, comme anaphore avec la relation méronymique, l’encapsulation, l’étiquetage méta-énonciatif, la thématisation rématique; prédominent parmi les occurrences de thématisation rématique avec des phrases nominales; admettent des changements dans l’óperation qui peut prendre des traits métaphoriques et de partialité; ont pour principale fonction argumentative l’évaluation, en soulignant également les fonctions explicative et esthétique-connotative; se composent des têtes nominales (hyperonymes, termes génériques) qui, avec les déterminants indéfinis, renforcent la spécification de la catégorie ou classe attribuée à l’objet-de-discours. D’une part, nous concluons que la recatégorisation lexicale avec l’ENI est une ressource productive à la disposition de l’énonciateur qui a un espace réduit à 1024 caractères pour écrire un témoignage sur le site orkut. En outre, la sélection des ENIs avec fonction intégrée de la prédication et de l’anaphore dirige la publication de paroles concises étant possible d’ajouter une orientation reconnaissante pour les descriptions dont elles font partie.
Mots-clés: Anaphore textuelle. Témoignage. Expression nominale indéfinie. Recatégorisation lexicale.

Anúncios

Já discuti anteriormente a questão referente ao incômodo causado pela presença de médicos cubanos no Brasil, foi logo depois do lançamento do programa federal Mais Médicos. Percebi que o debate é profuso no momento em que esses profissionais chegam em nosso país. Só para ter uma ideia, fiz uma busca simples através do Google, digitei “médicos cubanos” e o resultado foi o seguinte:

Resultados da pesquisa por "médicos cubanos"

Resultados da pesquisa: mais de 2 milhões de referências

Sinceramente não sei o que é pior: duvidar da competência desses profissionais ou esquecer que em muitos pampas, sertões, cerrados, planaltos e matas do Brasil, onde o playboy e a patricinha recém-formados jamais colocarão os pés, também existem cidadãos com direito à saúde pública?

Compartilho o conteúdo de duas cartas ao leitor, um gênero discursivo de inegável orientação argumentativa, as quais foram publicadas no jornal O Metro na edição de Curitiba e motivaram a escrita deste breve artigo em que manifesto meu repúdio às manifestações alienadas e elitistas contra a a atuação dos médicos cubanos no Brasil.

Recorte do jornal

Política para quem precisa de política e médicos para quem nunca teve

Como linguista, atraiu-me bastante na primeira carta a referência ao dizer de Simão quanto a “médicos humanos”, escolha linguística que expressa a posição de alguém engajado no apoio ao atendimento de interesses sociais, de alguém que não se fixa no fundo do próprio umbigo. Já na segunda carta, considero ótima a sugestão do leitor, que acima de tudo demonstra entender o que é equidade. Só discordo de uma coisa, a prova de conhecimento de língua deveria ser aplicada para os brasileiros e deveria ser um texto dissertativo sobre o comprometimento de cada um com a saúde.

Eu cresci junto com essa história, sou filha de professora da rede pública estadual, estou perto dos 40 anos e a minha impressão é que a valorização do trabalho dos professores gaúchos parece ter virado lenda! O jeito é fazer piada como na charge de Latuff. Pode ser que mudando o gênero textual se consiga ao menos sinalizar que enquanto esse “tempo feio” não mudar haverá sempre a previsão de dias de luta pela melhoria, seja por meio de palavras, seja por meio de ações.

Latuff Cartoons

Ver o post original

A mágica da máquina de escrever

A mágica da máquina de escrever. Crédito: autor desconhecido

Disquete?!?

Disquete?!?

A rede social mais popular do Brasil antes do Facebook.

A rede social mais popular do Brasil antes do Facebook

Entre o presencial e o virtual, difícil escolha?

O pragmatismo virtual. Créditos: autor desconhecido

Inversão de valores da sociedade

Inversão de valores da sociedade

"Virtualidade e atualidade são apenas duas maneiras de ser diferentes." - Pierre Levy

“Virtualidade e atualidade são apenas duas maneiras de ser diferentes.” – Pierre Levy

A construção do conhecimento em debate

A construção do conhecimento em debate

A visão cega

A visão míope

“Enquanto tal, a virtualização não é nem boa, nem má, nem neutra. Ela se apresenta como o movimento mesmo do “devir outro” – ou heterogênese – do humano. Antes de temê-la, condená-la ou lançar-se às cegas a ela, proponho que se faça o esforço de apreender, de pensar, de compreender em toda a sua amplitude a virtualização” (O que é o virtual? – Pierre Levy, p. 11-12).

sinônimos

Nesta charge, o personagem infantil questiona quanto ao uso referencial dos nomes “CARTEL”, “GANG”, “TUCANO”, “QUADRILHA”, “PRIVATARIA” e a relação léxico-semântica de cossignificação entre os nomes. Ou seja, a fonte do humor vem da tentativa de atribuir uma significação compartilhada para itens linguísticos que, a princípio, categorizam (ou introduzem no texto ) objetos de discurso/referentes textuais com diferentes traços semânticos. A fala do “VOVÔ” autoriza essa leitura e aí reside todo o sentido da piada que também envolve relações metalinguísticas, pois a compreensão requer:

(i) o reconhecimento inicial de que o texto multimodal (produzido com a combinação de linguagens verbal e não verbal) representa uma interação entre sujeitos que expressam hipóteses sobre o uso da língua;

(ii) a recuperação de um conhecimento enciclopédico e possivelmente compartilhado entre os personagens da charge (e leitores), da definição de sinônimo, da interseção entre significados que há na relação de sinonímia;

(iii) o deslocamento de sentidos dos elementos linguísticos do texto para o campo metafórico, pois não se trata de mera conversação sobre o uso de certas palavras da língua, porque assim temos apenas uma leitura entre os níveis superficial e médio;

(iv) a análise da referência a “TUCANO” – termo designador do símbolo do partido PSDB e dos seus filiados – como remissiva a uma temática focada em avaliação depreciativa do cenário político do país (considerando os traços semânticos negativos que se pode atribuir aos outros termos entre aspas na pergunta), e assim atingimos uma possível leitura profunda do sentido crítico que a charge carrega.

Quanto aos elementos não verbais, uma coisa interessante de notar é a caracterização dos personagens e os significados que revelam. Temos de um lado um menino provavelmente na faixa dos 6 a 8 anos, usando vestimentas informais e coloridas indicadas para estação quente, inclusive come um picolé sentado de modo descontraído no chão. Todos esses ícones apontam para a leitura de um perfil relacionado à juventude, através do personagem infantil demonstra-se a voz, o olhar simplificador e o posicionamento generalizante da juventude, neste caso, em relação à política nacional. De outro lado, está caracterizado um homem idoso, que ao contrário do menino não sente a mesma sensação térmica por estar vestindo uma roupa que cobre todo seu corpo, além disso o personagem idoso usa óculos, quer dizer que tem problemas de visão, e está sentado confortavelmente numa cadeira de balanço em movimentação.

O que se depreende do conjunto icônico descrito? É possível afirmar que a charge veicula uma crítica social a fim de expor a mudança social na maneira de compreender o cenário político entre diferentes gerações e os ícones mais representativos do contraste são a referência ao problema de visão do idoso e a representação das posições espaciais dos dois personagens. Também o recurso gráfico de colocar algumas palavras entre aspas sinaliza que a significação lançada no texto não é de natureza literal. Para captar o efeito de humor que acompanha a crítica, é preciso reconhecer essa quebra semântica no funcionamento discursivo dos termos destacados através da relação complementar entre significados associados aos itens verbais e não verbais.

Fonte: Depósito de Tirinhas

Fonte: Depósito de Tirinhas, blog Infame Lúdico.

Interessante a maneira como o uso de uma onomatopéia foi explorado na tirinha de Rafael Nemer para produzir o efeito de humor. Aproveitando mais o conteúdo da piada, vejamos como a linguística trata a questão.

A onomatopéia é um fenômeno linguístico bem particular de cada língua. Por exemplo, “miau” tem a seguinte representação linguística em:
alemão – miauen
inglês – mew
francês – miauler

Para uma comparação de outras particularidades linguísticas, podemos consultar um anexo da Wikipedia com lista de onomatopéias em várias línguas. Como se vê, não só a grafia, por consequência, a sonoridade desses vocábulos também é diferente. E isto quer dizer então que um gato domesticado em comunidade de fala francesa mia diferente de um gato do Brasil?

Não é bem assim, segundo Martins (2000), dentre outras definições apresentadas em Introdução à estilística, a onomatopéia diz respeito à imitação acidental de sons pelo homem, ou seja, sua construção está ligada a determinado momento e indivíduo. A partir dessa consideração, é possível entender que o fenômeno vincula-se à cultura de uma língua e caracteriza-se por sua natureza estilística e expressiva (SOUZA, 2007).

Por assim dizer, o mesmo pesquisador conclui que a onomatopéia não é um elemento universal para as línguas naturais e por isso relativiza o princípio saussureano de arbitrariedade do signo, justamente pela variação que há na relação entre significante e significado de onomatopéias nas diferentes comunidades linguísticas. Um dos fatores incidentes é a sonoridade de fonemas próprios de cada língua.

* sui-generis = locução latina que significa “do seu gênero próprio”

Resumo da comunicação

Resumo da comunicação

Realizadores do evento

 

There are 71 Journal calls that have a call deadline greater than 11-Aug-2013.
Click on a Journal Title to see call details or see on The Linguist List.

Credit: © Crux08 | Dreamstime.com

Photo credit: © Crux08 | Dreamstime.com

 

Journal Title Submitter Issue No. Call Deadline Asc / Desc
International Journal for the Semiotics of Law anne WAGNER 24.3069 Open Call for Papers
International Journal of Russian Studies Ayse Dietrich 24.3045 Open Call for Papers
Journal of Child Language Acquisition and Development – JCLAD Mehmet Ozcan 24.3044 Open Call for Papers
Journal of Multicultural Discourses Andrea Wells 24.3201 Open Call for Papers
Journal of Second and Multiple Language Acquisition – JSMULA Mehmet Ozcan 24.3043 Open Call for Papers
Semantics-Syntax Interface Negin Ilkhanipour 24.3096 Open Call for Papers
Language Donna Christian 24.2855 31-Dec-2023
Language Under Discussion Marla Perkins 24.2664 31-Dec-2023
Language Documentation & Conservation Andrea Berez 23.3854 31-Dec-2020
California Linguistic Notes Patricia Schneider-Zioga 23.5124 28-Feb-2020
Applied Research in English Mohsen Rezazadeh 23.4724 01-Jan-2020
Iranian Journal of Language Teaching Research Karim Sadeghi 23.3983 01-Jan-2020
Issues in Intercultural Communication Elizabeth Winkler 21.4044 30-Dec-2019
Explorations in Linguistics: An Online Journal of Undergraduate Research Jennifer Ewald 24.1455 01-Jan-2015
Journal of English Linguistics Robin Queen 19.193 01-Jan-2015
Research on Language and Computation Shalom Lappin 22.2259 01-Jan-2015
Journal of Multicultural Discourses Louise Phillips 24.572 31-Dec-2014
Canadian Modern Language Review UTP Journals 24.2837 30-Jun-2014
MonTI (Monographs in Translation and Interpreting) Cesáreo Calvo 23.4895 30-Jun-2014
Token: A Journal of English Linguistics Sylwester Łodej 24.2699 31-Mar-2014
The Journal of Specialised Translation Lucja Biel 23.5204 15-Mar-2014
Nordic Journal of Linguistics Gisle Andersen 24.2270 15-Jan-2014
Journal of Intercultural Communication Research Jodie Bell 23.1992 14-Jan-2014
Journal of Literary Theory Hannes Worthmann 24.385 01-Jan-2014
Acta Linguistica Hungarica Katalin É. Kiss 24.2770 31-Dec-2013
Canadian Modern Language Review UTP Journals 24.1241 31-Dec-2013
Creative Practices in Language Learning and Teaching Teow Ghee Tan 24.709 31-Dec-2013
Critical Multilingualism Studies Chantelle Warner 24.1452 31-Dec-2013
Critical Multilingualism Studies Chantelle Warner 24.2357 31-Dec-2013
HEL (Histoireépistémologie langage) Valérie Raby 23.4606 31-Dec-2013
Journal of Language Aggression and Conflict Maria Sifianou 24.2484 31-Dec-2013
Lingvistik’ Roberto Pigro 24.1762 31-Dec-2013
International Journal of Language Studies (IJLS) Mohammad Ali Salmani Nodoushan 24.2361 20-Dec-2013
GEMA Online Journal of Language Studies Associate Profesor Dr Nor Fariza Mohd Nor 24.2418 01-Dec-2013
Academic Exchange Quarterly Marilyn Pasqua 24.2126 30-Nov-2013
AION-Linguistica Alberto Manco 24.1763 30-Nov-2013
Canadian Modern Language Review Journals UTP 24.849 30-Nov-2013
Sintagma. Journal of Linguistics Gloria Vázquez 24.2362 30-Nov-2013
The Journal of Specialised Translation Lucja Biel 24.2242 30-Nov-2013
Arborescences Jeffrey Steele 24.2330 15-Nov-2013
Boletin de Filologia Dario Rojas 24.3137 31-Oct-2013
Canadian Modern Language Review UTP Journals 22.2458 31-Oct-2013
Indo-European Linguistics Joseph Eska 24.1853 31-Oct-2013
Scottish Language Robert McColl Millar 24.2501 31-Oct-2013
The Language Learning Journal Mohammad Javad Ahmadian 24.466 31-Oct-2013
Language Value Mari Carmen Campoy Cubillo 24.1671 30-Oct-2013
Language Value Mari Carmen Campoy Cubillo 24.1800 30-Oct-2013
Sayyab Translation Journal (STJ) Ali Almanna 24.2524 30-Oct-2013
Traitement Automatique des Langues Mathieu Roche 24.2820 15-Oct-2013
Dialectologia Maria-Pilar Perea 24.955 01-Oct-2013
Journal of Early Modern Studies Jeanne Clegg 24.1964 01-Oct-2013
Studies in Graduate and Professional Student Development Greta Gorsuch 24.1861 01-Oct-2013
Versejunkies: Intersemiotic Translation Journal Cutter Streeby 24.2360 30-Sep-2013
International Journal of Language Studies (IJLS) Mohammad Ali Salmani Nodoushan 24.1926 15-Sep-2013
Journal of Teaching English for Specific and Academic Purposes Nadezda Stojkovic 24.3095 15-Sep-2013
Linguistica Atlantica Egor Tsedryk 24.2381 15-Sep-2013
Questions and Answers in Linguistics Piotr Gulgowski 24.2821 15-Sep-2013
Signes, discours et sociétés Albin Wagener 24.2303 15-Sep-2013
Journal of Speech Sciences Luciana Lucente 24.2961 10-Sep-2013
Ianua. Revista Philologica Romanica Francesc González i Planas 24.1113 06-Sep-2013
Journal of Modern Languages Sheena Kaur 24.2962 01-Sep-2013
Perspectives: Studies in Translatology Louise Phillips 24.371 01-Sep-2013
Academic Exchange Quarterly Emilia Di Martino 23.4753 31-Aug-2013
Academic Exchange Quarterly Kristi Hislope 24.2052 31-Aug-2013
Academic Exchange Quarterly Kristi Hislope 24.2214 31-Aug-2013
Language and Information Society Inkie Chung 24.2838 31-Aug-2013
Language and Psychoanalysis Laura Cariola 24.2016 31-Aug-2013
Revista Leitura Miguel Oliveira, Jr. 24.2645 31-Aug-2013
Taiwan Journal of Linguistics Miao-Ling Hsieh 24.2769 31-Aug-2013
Canadian Journal of Learning and Technology Jenna Kelland 24.3158 15-Aug-2013
IARS’ International Research Journal Deepak Jain 23.4563 15-Aug-2013

Ao consultar a ficha catalográfica de tradução de um livro de Charles Dickens, percebi que o tradutor optou pela palavra “esperanças” no lugar de “expectativas”. Refiro-me à obra Great Expectations, cuja tradução do título para o português brasileiro foi Grandes Esperanças. Eis uma questão de sinonímia e tradução,  geradora de discussões do tipo até que ponto uma palavra dá conta do sentido evocado por outra, qual a proporção de alcance do mesmo campo semântico, repito do mesmo!?!?

Difícil saber, uma vez que a equivalência perfeita de significado não é uma propriedade inerente às relações de sinonímia, ou seja, sempre vai escapar ou faltar um traço semântico na operação de troca entre termos sinônimos. Na edição 81 da Revista Língua Portuguesa, o linguista José Luiz Fiorin coloca que: “Estender o enunciado usando muitos sinônimos ajuda a dar ênfase ao sentido, mas realça a inexistência de sentidos equivalentes perfeitos entre as palavras.” Fazer isto dentro de um texto sem critérios é correr o risco de mudar alguma coisa na sua progressão, porque a construção de sentidos depende muito da significação dos itens linguísticos que são selecionados pelo produtor.

As duas palavras compartilham o significado de espera, fora isto as definições lexicais apresentam variações, porém não vou demonstrá-las aqui, vou deixar a verificação a cargo de cada leitor. Embora esse aspecto da tradução tenha surtido em mim a reflexão que expus, a coisa que mais me atraiu na obra inglesa foi o singelo começo do capítulo 1:

“O sobrenome da família do meu pai era Pirrip, e o meu nome de batismo, Philip, mas o máximo que minha língua infantil conseguia articular era Pip. Assim, passei a chamar-me Pip, e passaram a chamar-me Pip”. (…)

O formato das letras no túmulo de meu pai dava-me uma ideia estranha de que fora ele um homem honesto, robusto, moreno, de cabelos negros encaracolados. Dos caracteres  e do estilo da inscrição lapidar “E Também Georgiana, Esposa do Acima Referido”, tirei a conclusão infantil de que minha mãe era sardenta e enfermiça. (p. 9)

A referência do escritor ao período de aquisição da língua materna do protagonista, tão bem colocada no texto de ficção para marcar o início do percurso narrativo de Pip, foi o motivo determinante para minha decisão de levar o livro comigo.

Imaginem a situação, eu estava numa livraria e de repente um livro em especial prendeu minha atenção por sua encadernação em estilo antigo, capa em tecido roxo com desenhos de folhas,  marcador de páginas em fita de cetim, folhas em papel bem fino. Quase comprei só por causa da capa, admito, e é até ridículo dizer isso a respeito de um clássico da literatura, um clássico até agora fora de meu campo de interesse.  Entretanto tudo mudou depois que abri aquela capa roxa e li o começo da história, foi apaixonante!! A escolha do livro assumiu outro sentido, bem significativo para mim neste exato momento em que me preparo para desenvolver uma pesquisa na área de aquisição da linguagem. Assim, as pontas desconexas de minha aventura pela livraria se encontraram.

O livro roxo de Pip

O livro roxo de Pip

Por fim, o trailler de uma versão cinematográfica da obra literária, infelizmente sem a singeleza do início do texto de ficção.

Referências:
DICKENS, Charles. Grandes esperanças. Trad. José Eduardo Ribeiro Moretzsohn. São Paulo: Abril, 2010. 672p.
FIORIN, José Luiz. A clonagem de sinônimos. Revista Língua Portuguesa, São Paulo, n. 81, 2012.

Tecnologias educacionais são conhecimentos pelos quais manifesto considerável interesse, tanto que este foi também um dos motivos que me levou a pensar na criação do blog. Do pensamento à ação, eis-me aqui a compartilhar informações que são de interesse geral. Recebi um e-mail de divulgação de novo curso da Universidade de São Paulo na modalidade EAD. É a Pós graduação à distância Inovação e Gestão em EAD, um curso para formação de gestores de disciplinas em EAD.

Crédito: Yudesign, Dreamstime.com

Crédito: Yudesign, Dreamstime.com

O objetivo do curso é atender docentes ou profissionais interessados na compreensão e proposição de programas de cursos EAD em suas instituições de atuação. Não se limita à formação de professores em conhecimentos técnicos de EAD. Mais do que isto, busca capacitar gestores responsáveis pela implementação e administração de disciplinas EAD.

Assim, são considerados público-alvo desta pós graduação:

  • professores que precisam incluir aulas na modalidade à distância em suas grades;
  • profissionais ou empresas  que atuam nos campos de formação, treinamento e capacitação de pessoas;
  • organizações de todos os portes, que vislumbram a EAD como meio de aperfeiçoamento de capacitação profissional de seu efetivo e que pretendem implementar ou já implementaram uma Universidade Corporativa.

Acrescento que há um processo de seleção para ingresso na especialização, os valores de mensalidade estão disponíveis no site, as aulas presenciais podem ser feitas em diversos polos distribuídos pelo país.  Para maiores informações e inscrições até 19/08/2013, acesse o link http://www.poseadusp.org.br/inscricao.