Posts com Tag ‘arqueologia’

A história da escrita recebe mais um capítulo em terras chinesas!

Recente descoberta arqueológica na China (em Zhuangqiao, na cidade de Pinghu, Província de Zhejiang) pode ser considerada a maior feita até hoje. Dentre  objetos retirados de um túmulo estão símbolos e parte de um texto original que deve ter em torno de 5000 anos, o qual mostra como os homens da cultura Liangzhu iniciaram a usar uma forma de escrita, prática que levou a nação chinesa à era da civilização.

O professor Li Boqian, especialista em cronologia de dinastias antigas do Instituto de Arqueologia e de Museologia da Universidade de Pequim, afirmou que as inscrições descobertas desta vez contém signos que podem ser interligados para formar frases, assim se diferenciando de outras em que os símbolos aparecem isolados.

Conforme os relatórios, há símbolos gravados em traços pouco profundos com estilo um pouco diferente sobre os dois machados de terra desenterrados; o estilo de outros símbolos é parecido, comprovando uma certa padronização na gravura e no traços desses elementos gráficos.

………………………………………………………………………………………………….

Découverte de textes encore plus anciens que les jiaguwen dans le Zhejiang

( le Quotidien du Peuple en ligne )

11.07.2013 à 15h34

Une découverte archéologique majeure vient d’être faite à Zhuangqiao, dans la ville de Pinghu, dans la Province du Zhejiang : sur des objets extraits d’une tombe figurent un grand nombre de symboles et une partie d’un texte original dont les experts pensent que c’est le plus ancien jamais découvert en Chine à ce jour. Il daterait d’il y a environ 5 000 ans et montre que les hommes de la culture de Liangzhu ont alors commencé à utiliser une forme d’écriture, faisant entrer la nation chinoise dans l’ère de la civilisation.

Les experts estiment que ces symboles exhumés d’une tombe de la culture Liangzhu à Zhuangqiao sont en effet le texte original de loin le plus ancien découvert en Chine. Li Boqian, professeur à l’Institut d’archéologie et de muséologie de la Peking University et expert en chef d’Etat en chronologie des dynasties anciennes, a dit avec une grande joie que ce texte original, à la différence d’autres inscriptions où les symboles apparaissent isolés, contient des signes qui peuvent être reliés entre eux pour former des phrases.

En lire plus: http://french.peopledaily.com.cn/Culture/8322212.html.

Após ler o post Como a tecnologia está presente na sua sala de aula? pude perceber que a imagem do cabeçalho do blog mundotexto, marcas de oficina lítica em uma praia de Santa Catarina, apresenta uma das primeiras tecnologias de produção de artefatos (HERBERTS et al., 2007) do homem pré-histórico. O vídeo anexado ao post em questão, que conta a história da tecnologia na educação, refere-se a inscrições rupestres como a primeira tecnologia de educação empregada pelo homem das cavernas.

Mais ou menos por esta ponte de significação, expresso meu entendimento sobre a produção de textos, atividade em que a persistência para trabalhar as palavras e as ideias pode ser comparada ao trabalho artesanal de polimento de rochas para a produção de ferramentas. E há muito tempo os textos são poderosas ferramentas de inserção social. A escolha da foto foi um tanto aleatória, não pensei nessa relação de sentido que também representa muito para mim. Afinal de contas, minha pesquisa envolve a questão do uso de TIC na produção de dada variedade de texto ou gênero discursivo: o depoimento do Orkut.

Como mencionei um aspecto ligado à construção da identidade visual do blog, aproveito o gancho para explicar o porquê do seu nome. No primeiro post até escrevi que os TEXTOS são as coisas que mais me interessam no mundo e são mesmo! Ao contrário da seleção da imagem, a maneira que escolhi para grafar o nome do blog é algo bem pensado. Vem de indagações que surgiram a partir da leitura de um artigo sobre coerência produzido pela linguista textual de origem alemã Monika Schwarz. No texto dela, encontram-se várias referências ao termo “text-world model”, o qual não saiu mais da minha cabeça porque eu ficava brincando de traduzir para tentar me aproximar do que a teórica queria dizer: seria modelo de mundo e texto? texto-mundo ou mundo-texto? teria que inverter mesmo? e manter a composição da grafia? seria uma versão em inglês de uma daquelas palavras compostas do alemão? ou seria um modelo de mundo textual?

Passados alguns dias, acordei disposta a criar o blog e não tinha dúvida de qual nome teria. Eis aí o mundotexto que entrego à blogosfera!

O vídeo a que me referi no começo aborda de forma didática a evolução histórica das tecnologias de educação. É uma produção americana, então cabe ajustar a interpretação em função das diferenças de contexto social e histórico, o que talvez justifique a minha constatação de que só conheci depois dos anos 90 em ambiente de educação no Brasil muitas das tecnologias utilizadas entre as décadas de 40 a 80.