Posts com Tag ‘clássicos da literatura’

Esta é uma lista de obras recomendadas para leitura nos anos finais do Ensino Fundamental (especialmente 9º ano).

AGUIAR, Luiz Antonio. Corações partidos.

ALBERGARIA, Lino de; ARAGÃO, Marco. Chico, Edu e a oitava série.

ALCOTT, Louisa May. Mulherzinhas. São Paulo, SP: Nova Cultural, 2003.

ALVAREZ, Julia; CASTRO, Léa Viveiros de. No tempo das borboletas.

ANTONIO, João. Meninão do caixote.

ARBEX JÚNIOR, José. O poder da TV.

ARÊAS, Vilma; BRONTË, Emily; GUEDES, Avelino Pereira. O morro dos ventos uivantes. 13. ed.

BAGNO, Marcos. O espelho dos nomes.

BARDET, Daniel; BOIDE, Alexandre; NAWA, Rachid. As mil e uma noites. L&PM, 2012. (em quadrinhos)

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Não verás país nenhum. 27.ed. São Paulo, SP: Global, 2008

BRAZ, Júlio Emílio. Cenas urbanas.

BRENMAN, Ilan; VILELA, Fernando. África.

CAMPOS, Carmen Lúcia; SILVA, Joaquim da. Para gostar de ler, 35: gente em conflito. São Paulo, SP: Ática, 2011.

CARPINEJAR; ROSA, Rodrigo. Diário de um apaixonado: sintomas de um bem incurável.

CAZARRÉ, Lourenço. A casa sinistra.

CLAVER, Ronald. Diário do outro. 3. ed.

CLEMENT, Catherine; VIANA, Antonio Carlos; VIANA, André. O sangue do mundo.

COLASANTI, Marina. Longe como o meu querer. 4. ed. São Paulo, SP: Ática, 2006.

CORALINA, Cora. Estórias da casa velha da ponte.

COSTA, Wagner; BORGES, Rogério. Eu, Pescador de mim.

CURTIS, Christopher Paul; CÁRCAMO; FERRAZ, Geraldo Galvão. Minha família é um barato!

DIMENSTEIN, Gilberto. Aprendiz do futuro: Cidadania hoje e amanhã. 10. ed. São Paulo, SP: Ática, 2008.

DIMENSTEIN, Gilberto. Meninas da noite: a prostituição de meninas escravas no Brasil. 3. ed

DIMENSTEIN, Gilberto. O cidadão de papel: a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil. 23. Ática, 2011.

FEIST, Hildegard; DICKENS, Charles; MAIA, Luiz. David Copperfield. São Paulo, SP: Scipione, 2009.

FRANK, Anne; FRANK, Otto H.; PRESSLER, Mirjam. O diário de Anne Frank: edição integral. 32. ed. Record, 2011.

GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia: romance da história da filosofia. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2002.

GAARDER, Jostein; AZENHA JR., João. O dia do curinga.

GARCIA, Edson Gabriel. Cidadania agora.

GARCIA, Edson Gabriel. Contos de amor novo.

GARCIA-ROSA, Luiz Alfredo. Quarto de menina. 6.ed

GARCIA-ROZA, Livia. Cine Odeon: romance.

GLEISER, Marcelo. A dança do universo: Dos mitos de Criação ao Big-Bang.

GLEISER, Marcelo. A harmonia do mundo.

GODOY, Marcela,; PARES, Roberta. Romeu e Julieta. Belo Horizonte, MG: Nemo, 2011. 62 p. (Shakespeare em quadrinhos)

GOMES, Álvaro Cardoso; QUEIROZ, Eça de. A prima de um amigo meu.

HAWTHORNE, Nathaniel. A letra escarlate.

HEMINGWAY, Ernest; FERRO, Fernando de Castro; SQUEFF, Enio. O velho e o mar.

HONORE, Christophe; JAHN, Heloisa. Bem perto de Léo.

HUXLEY, Aldous; VALLANDRO, Lino. Admirável mundo novo. São Paulo, SP: Globo, 2009.

JAF, Ivan. Dona casmurra e seu tigrão.

JAF, Ivan. Longe dos olhos. 2. ed.

JAF, Ivan. O vampiro que descobriu o Brasil.

JOSÉ, Elias; BORGES, Taisa. Alice no país da poesia.

JOSÉ, Ganymedes; SANTALIESTRA, Eduardo. A ladeira da saudade. 31. ed.

MACEDO, Joaquim Manuel de. A moreninha. São Paulo, SP: M. Claret

MACHADO, Ana Maria. Uma vontade louca. 2. ed

MANGUEL, Alberto. Contos de amor do século XIX.

MARINHO, Jorge Miguel; BRANDÃO, Lúcia. O cavaleiro da tristíssima figura

MILLER, Arthur; SILVA, Rui Guedes da. As bruxas de Salém.

MORAES, Vinícius de; FERRAZ, Eucanaã. Para viver um grande amor, 1962. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MURRAY, Roseana; LLINARES, Alberto. Pequenos contos de leves assombros.

NICOLELIS, Giselda Laporta. O milagre de cada dia. 3. ed.

NUNES, Lygia Bojunga. O abraço. 5. ed. Rio de Janeiro, RJ: Casa Lygia Bojunga, 2010.

OLIVEIRA, Rui de. Três amores. 2. ed.

ORWELL, George. A revolução dos bichos.

ORWELL, George; HUBNER, Alexandre; JAHN, Heloisa. 1984. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2009.

PARA gostar de ler: nós e os outros : histórias de diferentes culturas. 2. ed.

QUINO. 10 anos com Mafalda.

REY, Marcos; RABELO, Allan. Diário de Raquel. São Paulo: Global, 2011.

REZENDE, Stela Maris; CARDON, Laurent. A mocinha do mercado central.

SABINO, Fernando. Amor de Capitu.

SCLIAR, Moacyr. No caminho dos sonhos. 4. ed.

SCLIAR, Moacyr; CÁRCAMO. Ataque do comando P.Q.. São Paulo, SP: Ática, 2009.

SILVINO, Laerte.; ASSIS, Machado de. Conto de escola: em quadrinhos.

SWINDELLS, Robert. Frio como pedra.

TAVARES, Ulisses. Viva a poesia viva.

TELLES, Lygia Fagundes. Antes do baile verde. 16.ed.

TELLES, Lygia Fagundes. Oito contos de amor. 4. ed.

VILELA, Luiz. Boa de garfo e outros contos.

VILELA, Luiz. Contos da infância e da adolescência. 3. ed.

ZEPHANIAH, Benjamin. Gangsta rap.

*** Sugestão de ficha de leitura.

ficha de leitura

 

 

Anúncios

Foto drummond

Nenhum desejo neste domingo
nenhum problema nesta vida
o mundo parou de repente
os homens ficaram calados
domingo sem fim nem começo.

A mão que escreve este poema
não sabe o que está escrevendo
mas é possível que se soubesse
nem ligasse.

(Carlos Drummond de Andrade)

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegrama?).
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

RECEITA DE ANO NOVO

ANDRADE, C. D. Receita de Ano Novo. Editora Record. 2008.

Ao consultar a ficha catalográfica de tradução de um livro de Charles Dickens, percebi que o tradutor optou pela palavra “esperanças” no lugar de “expectativas”. Refiro-me à obra Great Expectations, cuja tradução do título para o português brasileiro foi Grandes Esperanças. Eis uma questão de sinonímia e tradução,  geradora de discussões do tipo até que ponto uma palavra dá conta do sentido evocado por outra, qual a proporção de alcance do mesmo campo semântico, repito do mesmo!?!?

Difícil saber, uma vez que a equivalência perfeita de significado não é uma propriedade inerente às relações de sinonímia, ou seja, sempre vai escapar ou faltar um traço semântico na operação de troca entre termos sinônimos. Na edição 81 da Revista Língua Portuguesa, o linguista José Luiz Fiorin coloca que: “Estender o enunciado usando muitos sinônimos ajuda a dar ênfase ao sentido, mas realça a inexistência de sentidos equivalentes perfeitos entre as palavras.” Fazer isto dentro de um texto sem critérios é correr o risco de mudar alguma coisa na sua progressão, porque a construção de sentidos depende muito da significação dos itens linguísticos que são selecionados pelo produtor.

As duas palavras compartilham o significado de espera, fora isto as definições lexicais apresentam variações, porém não vou demonstrá-las aqui, vou deixar a verificação a cargo de cada leitor. Embora esse aspecto da tradução tenha surtido em mim a reflexão que expus, a coisa que mais me atraiu na obra inglesa foi o singelo começo do capítulo 1:

“O sobrenome da família do meu pai era Pirrip, e o meu nome de batismo, Philip, mas o máximo que minha língua infantil conseguia articular era Pip. Assim, passei a chamar-me Pip, e passaram a chamar-me Pip”. (…)

O formato das letras no túmulo de meu pai dava-me uma ideia estranha de que fora ele um homem honesto, robusto, moreno, de cabelos negros encaracolados. Dos caracteres  e do estilo da inscrição lapidar “E Também Georgiana, Esposa do Acima Referido”, tirei a conclusão infantil de que minha mãe era sardenta e enfermiça. (p. 9)

A referência do escritor ao período de aquisição da língua materna do protagonista, tão bem colocada no texto de ficção para marcar o início do percurso narrativo de Pip, foi o motivo determinante para minha decisão de levar o livro comigo.

Imaginem a situação, eu estava numa livraria e de repente um livro em especial prendeu minha atenção por sua encadernação em estilo antigo, capa em tecido roxo com desenhos de folhas,  marcador de páginas em fita de cetim, folhas em papel bem fino. Quase comprei só por causa da capa, admito, e é até ridículo dizer isso a respeito de um clássico da literatura, um clássico até agora fora de meu campo de interesse.  Entretanto tudo mudou depois que abri aquela capa roxa e li o começo da história, foi apaixonante!! A escolha do livro assumiu outro sentido, bem significativo para mim neste exato momento em que me preparo para desenvolver uma pesquisa na área de aquisição da linguagem. Assim, as pontas desconexas de minha aventura pela livraria se encontraram.

O livro roxo de Pip

O livro roxo de Pip

Por fim, o trailler de uma versão cinematográfica da obra literária, infelizmente sem a singeleza do início do texto de ficção.

Referências:
DICKENS, Charles. Grandes esperanças. Trad. José Eduardo Ribeiro Moretzsohn. São Paulo: Abril, 2010. 672p.
FIORIN, José Luiz. A clonagem de sinônimos. Revista Língua Portuguesa, São Paulo, n. 81, 2012.

Por acaso, topei com este vídeo sobre a formação de leitores no Brasil. Para pensar: o que tanto as pessoas leem que não se reverte positivamente para o país. O que falta?

Assistam ao vídeo para ter ideia de uma breve resposta.

****************************************************

Um manifesto a favor da literatura.

—–
Musica: Quiet Company – How do you do it

Produção: Pele de Cordeiro
Roteiro: Aline Valek
Fotografia e Edição: Marcos Felipe
Ilustração: Douglas Reis

Contamos com as mãos cheias de dedos de: Cavi Loos, Douglas Reis e Aline Valek